! Cotchabamba !

. Melhor que Manhatchian .

2010, tchau e fecha a porta. grata. dezembro 29, 2010

Filed under: Sem categoria — Sofia @ 11:13 pm

Quebrando um jejum de meses, tô aqui pra encerrar os trabalhos anuais. Thais e Rita na Irlanda. Gabi em Ilhéus. Sandra rumo a Guarapari (inventei?). Bela num Cruzeiro (inventei de novo?). Bruna se apegando a esperanças (força, amiga!estamos aqui,ok?). Eu e Maysa trabalhando. Ela, claro, ganhando muito mais que eu. RISOS.
Enfim. Não vou negar: já tive, mil vezes, vontade de deletar esse blog. Já tive, também, vontade de escrever nada-com-nada, simplesmente por escrever, pra ver se o luto passava.
Mas não é um blog que resolve essas coisas. Se é que elas hão de se resolver.
Tenho a impressão de que, no momento em que o Xande se foi, a realidade resolveu bater à nossa porta. Vieram nossas crises com empregos – e com a falta dele – , com $$, ficar longe de casa, saber lidar com saudade. Sei lá. Parece que aqueles sambas, Travessas, Velvets, O Bar, churrascos do Ge, casos-mil-casos, porres, revelações bombásticas, caronas divertidíssimas, conversas despudoradas, brigas, surpresas da noite, sei lá, parece que foram um conto de fadas. É. Eu tava com essa impressão. Barangamente falando, senti que o mundo ficou cinza.
Aí, vem o tempo. Pra saudade, não há cura, né. Ela só aumenta. Parece que todos os dias são uma contagem regressiva prum reencontro. As coisas jamais serão as mesmas, mas como tenho dito ultimamente: o que o Xande levou de mim, de nós, era dele por direito. Mas o que ficou, pessoal, tem q ser cuidado. Andei tão negligente com vcs, com outros amigos… sei lá. Eu precisava desse tempo de luto. Cs também,né. Mas ow. Nós tamo aqui,sabe? Eu sinto falta docês. Sinto falta do Lucas indo encontrar a gente e permanecendo pelo momento necessário pra ingestão de um Travessa Burguer. Sinto falta do Gê, do churrasco dele e de ver ele beber que nem homem de verdade hahaha Falta do Gui rachando de rir do nosso humor refinado (aham.). Falta da presença do Jardim nas noites mais engraçadas da vida. E dos demais agregados, né…sem citar nomes pq a probabilidade de esquecer o de alguém é altíssima!
Thaís e Rita: a falta que vocês fazem por aqui chega a gritar nas nossas caras. TUDO é motivo pra lembrar de vcs. Sério. Por mim, cÊs já estariam por aqui. Mas é egoísmo meu,né? Eu sei que vcs queriam mto essa viagem e que estão tentando dar um sentido pras coisas. E eu valorizo – e invejo – isso demais. Cês tão correndo atrás e isso é altamente louvável. Ah se eu tivesse 20 mil na conta…Estaria aí fazendo Januário de vodu!
Ow, TODOS nós sentindo falta da chatice bêbada da Rita, da educação peculiar da Thaís, das brigas, da indefinição do que fazer na noite e da frase “a gente encontra no Assacabrasa e decide”(ow, q lixo!), da epopéia turística que é ir pra Sabará desfrutar de uma noite de 50 horas..Essas coisas,sabe, que fazem a gente quase (?) chorar de tanto que é simples e necessário.
Bom. É isso.
Não sei o que será desse blog. Histórias pra contar, sempre existem (ô!).
Resumo da ópera: eu sinto falta de vcs. E do absurdo de energia que somos juntos. Do tanto que somos diferentes e não caímos na rotina. Do tanto que damos certo e, ao nosso modo, agregamos novos amigos (agora tem até a Ju!!).
2010 passou. UFA. 2011 taí. No mínimo, vai ser melhor. Assim, eu fico repetindo isso pra ver se vira verdade,né. Vai ser o ano dos retornos, dos inícios, de reencontros.
Sei lá como vai ser. Percebi que não sei fazer previsões (pq,né. Sempre me achei numa vibe mãe diná…. NOT.). Só sei q eu quero meu ano com vcs. Só isso. Só esse tantão.

Beijos, seus lindos

 

Desses posts q nunca serão completos… setembro 25, 2010

Filed under: dá um post — Sofia @ 1:25 am

Eu ia postar isso no meu blog pessoal. Eu criei na minha cabeça q escrever faz as coisas aliviarem. Ainda tô na dúvida acerca dessa conclusão precipitada, mas como eu sei q todas se sentem da msm forma q eu e todas queremos dizer algo e não sabemos o quê, decidi escrever e escrever aqui. Se vai aliviar, acalentar, diminuir a dor…sei lá. Mas que fique registrado. Já que isso não sai da minha cabeça e do meu coração, que vá para as letras.

Dizem que nem Jesus agradou a todos. não sei quem foi que proferiu essa asneira, mas provavelmente não conheceu o Xande. Era o tipo da pessoa que nos fazia afirmar com categoria “ow, c vai gostar demais dele”. e não houve um só momento das nossas muitas aventuras conjuntas em que não caímos juntos na risada, em q não ouvimos uma história absurdamente engraçada e inusitada e em q não tívessemos a necessidade de dizer o tanto q eles nos divertia. Mais que tornar tudo mto engraçado, era bom o simples fato de tê-lo conosco. Pelo assunto que nunca acabava, pelos gostos compartilhados, pela cultura, pelas dicas, por nos deixar à vontade pra falar de toda e qualquer coisa.

Quando essa fase de treva começou, eu só conseguia pensar q não fazia sentido eu pensar q poderíamos chegar a esse fim pq logicamente eu não conseguiria viver sem ele. Eu ainda acho. Tá foda, tá doendo, tá angustiante. É um aperto e um vazio que, parece, jamais serão supridos. E eu sei q dói em vcs tb, meninas…Sei que vcs, assim como eu, se apaixonaram por ele e hj vêem essa situação como uma injustiça divina gritante. e sempre haverá, nas nossas conversas, algo a ser lembrado com mto afeto e saudade. As pessoas têm me dito que vai passar essa dor. Que, uma hora, as lágrimas vão acabar. Vcs tb sentem q não? Pois é. O xande foi, sem dúvida, nosso mais fiel companheiro e não dá msm pra acreditar. Fico pensando na alegria dele chegando pra nos encontrar, com aquele look q sempre nos agradava e elogiávamos e tento, tento mesmo, entender a lógica divina. Como nunca peguei as coisas de primeira – nem homens!-, ainda não entendi. Pode ser q a qualquer momento as coisas fiquem mais claras.

Eu queria ter dito mta coisa ainda. Ter terminado algumas conversas. Ter feitos mais planos e concretizado os mesmos. Mas o importante é que eu sempre  declarei meu amor por ele, publicamente ou não. Ele levou consigo não só uma alma ímpar, mas tb muito amor. De todas nós. O prazer foi nosso, meu amigo. Foi não, é. Pq há mta coisa boa a ser lembrada.

Não tô aqui pra falar quem sofre mais – se é q isso existe, pq cada um sabe a dor que tem…sei da contribuição q ele deu a esse grupo e sei q todas sentimos q perdemos um dos nossos. As coisas não parecem ter sentido agora. Mas eu sei (?) q alguém dará um jeito de nos explicar a lógica disso tudo.

O prazer foi nosso, Xande. Ainda não consegui dizer adeus pra vc e pretendo não conseguir. Pq te trago nas melhores lembranças, no meu coração e aguardo nosso reencontro, seja noutro plano espiritual, seja num sonho, seja onde for. Só não me peçam pra aceitar q vc se foi pra sempre pq, data maxima venia, terei q discordar.

Por favor, fique sempre conosco.

A vcs, meninas, fica o meu abraço apertado e emocionado. juntas, nós tivemos ótimos momentos com ele e juntas vamos esperar essa dor passar. amo mto vcs e agradeço por tê-las comigo e por vcs saberem exatamente o q eu sinto agora.

Aos que não conheceram esse figura, eu digo q a vida de vcs poderia ter sido diferente… poderia ter sido bem melhor!

Claro que esse post não contém metade do q eu queria dizer, metade do q eu tive com ele, metade do q vcs pensam, mas, como sempre digo, tudo merece ser registrado aqui…

Um beijo no coração. e que, não obstante o cultivo da saudade, nossa paz chegue logo, pq a dele, dizem, ele já conseguiu…

 

Tietagem Xandística YEY! setembro 21, 2010

Filed under: Top — tuty @ 5:04 am

Pois eu sempre pago pau pra Sofs por vir aqui dar satisfações, acabar com o jejum, exigir carinho, iluminar o obscuro e oferecer um alento… Sua LINDA (vc sabe o que a terra vai fazer com vc, né, baby?)! Até tentei mesmo outro dia postar o-que-quer-que-fosse, mas escrevi duas sofríveis linhas e pedi arrego. Perdi o dom que jamais tive. E agora, Jose Cuervo? Simbora bater, bater e bater na porta do céu, porque, assim, eu não posso mais usar esse distintivo. Mas aí que o tema merece, o sono enobrece e a vingança mata a alma e a envenena. Então cá estou pra dizer que, olha, the thing is que não-tá-fá-cil. A gente fica msm puta com as injustiças dodestino/deDeus/docapitalismo/docaralhoaquatro, mas, ao msm tempo, o que se há de motherfucker fazer? E aí que isso emputece gravitacionalmente mais ainda. E aí, de novo, nada a ser filhadaputagemente feito. Tetesto. Então quem reza vai lá e reza, quem ora paga o dízimo e ora — de preferência em línguas, pra pelo menos ficar divertido pra plateia —, e quem, como eu, torce e xinga, siacaba nas cantigas e nas injúrias, com o merecido louvor — olha, se eu receber as bênçãos na proporção do proferimento e da gravidade enfática das baixezas, tô de boa for life e tô repassando vááários… Ah, tá, que orgulho da mamãe. Enfim, a moral é que, Xande, darling, vamos simboraê que temos que eventualmente fazer nossa tattoo de treeeevo, temos tbm que, temporariamente, nos despediiir, a Rita tem que te contar uma coisa pra completar aquele papo didático no carro, André foi até parar na Velvet (pasmem!) e o Jardim tá passando vergonha no kart, de saudade de você, seu liiiiindo!!! E pronto. E é, teria show de Fabinho-cada-vez-mais-meu-marido-platônico pra lacrimejadamente descrever, churras do Gê pra postar embaraçosos, mas instrutivos, vídeos, niver de Miriane pra ter esclarecido o que um cabo verde de talher tava fazendo no meu bolso… Sóquenão, pq, sim, o assunto é, como disse Pia, só um. Então libera a pauta aíííííííííííííííí, bem. Enquanto isso, vou insultando muito no Twitter, pq quero acumular pra futuro escambo. Bjos, amores. Gotta love y’all. =)

 

Papo Sério.

Filed under: Top — Sofia @ 3:10 am

O post é pra posteridade. Pro xande rir. pq é o q ele vai fazer quando se der conta da mobilização mundial em prol da melhora dele. daí, ele vai dizer: cs são fracos demais, foi só uma gripezinha de nada. fiquei sedado pra não ter q aguentar as lamúrias de vcs. AHAM. não custa,viu, ele falar isso.

Mas voltando. Esse post é pra ele confirmar – pq não é de hoje q ele sabe q rola um amor mto grande por parte desse humilde grupo feminino – que não houve um só dia em que ele não esteve nos nossos pensamentos, corações, na mentalização de energias positivas e na torcida. Viramos pessoas de um assunto só. UAU (estilo Jardim). E a coisa ganhou tamanha repercussão que, as pessoas ao nosso redor, nossas famílias, sabendo dos nossos exigentes critérios pra amigos e percebendo o impacto desse afastamento temporário do nosso jovem irlandeswannabe, puderam inferir o tanto que ele é gente boa e tão aí de mãos dadas e na torcida tb. Afinal de contas, como não amar alguém que aguenta todas as bobagens por nós proferidas, nos carrega pra cima e pra baixo por essa belorizonte, guarda nossos mais profundos e sórdidos segredos, tá presente no samba e na Velvet, tá sempre contribuindo com mto bom humor e é, no mínimo, essencial e imprescindível pro sucesso das nossas aventuras diárias, noturnas e savassianas? “e aí?cs já chamaram o xande?”

Pra nós, Xande. Pra eles, Chambella. Pra mim, com a licença das demais, Xandezinho, meu amigo, meu amorzinho, meu bróder, meu parceirinho, mermão! Volta logo, fi, quié pra acabar com esse negócio de vc longe de mim. (ok, era pra ser no plural, mas Vinicius era um só,né.)

ps: que fique claro q vc tem q acordar antes do dia 03, data essa de despedida de duas cotchas q têm por vc a mais elevada estima.

No aguardo do grande retorno. e no aguardo do momento da leitura desse post.

 

Já diria Galvão Bueno:Abandono de filho é coisa séééééria, amigo. setembro 6, 2010

Filed under: erro — Sofia @ 11:53 pm

Eu só passei pra listar aqui o q não foi dito, transcrito, expresso e relatado neste blog durante todo esse tempo. Lembro que ele foi concebido com amor e com o mesmo sentimento deveria ser mantido, cuidado e etc. sim, toooodo amor é sagraaaado e o fruto do trabaaaalho é mais que sagraaaado, meu amoooor. Sério. Mta coisa aconteceu e tinha q ter sido registrada. soquenão.Como eu não tenho memória, mas tenho agenda, eis o rol:

1 – Thaís voltou e já tinha mil histórias. Inclui-se, aqui, a história que começou no avião. fumogoianoagentevêporaqui.
2 – Fomos conhecer o Uzina.
3 – O Brasil perdeu a Copa.
4 – Tentativas frustradas de comprar presente pra Thaís.
5 – Aniversario da Thaís,o q inclui:ela gosta do presente, o Thiago declarar que não curte meu cabelo, eu não bebendo no Travessa, Sete Cumes vazio, sete mil mojitos e heinekens, A Rede, R E V E L A Ç Õ E S.
(espaço de tempo de reclusão)
6 – Retorno à vida social com Travessa e Studio B: daí, vem Maysa e suas dancinhas, Renata Nalani, Doidão-querendo-ir-pro-Extra.
7 – Bar da Dalva, reapariçao de Luiz, galera jacu, O Bar e o retorno à Velvet, com direito a mtos surtos. de todos os tipos. ficadica.
8 –  Andar de bicicleta-de-quatro na beira da Lagoa da Pampulha, Temático, Assacabrasa, Rita indo a outros lugares, msgs na madrugada….e….SAMBA DA MADRUGADA(isso merece tantos posts.). Aí, vem mincses, cheiro de sacola, galera loks, terrerão e Ogum. mta coisa.
9 – O Bar e mtas historinhas divertidas. o fim de noite com o mincs Mig q logo zarpará pro Algarve e um subway mais q apimentado e delícia.

Sabe. é mta coisa. nossas vidas são muito movimentadas, até qndo estamos paradas. Não tô entendendo a inércia. Temos que aproveitar enquanto ainda estamos juntas e temos histórias coletivas pra contar. ficadicaeterna.

 

Índia, seus cabelos. Joel Coiffeur julho 2, 2010

Filed under: dá um post — Sofia @ 1:15 am

Esse post é para a posteridade. Pra eu nunca esquecer o tanto que já sofri nessa vida.

Eu tenho um trauma,sabe. Eu fico agindo como se tudo estivesse bem…mas não está. Desde que eu nasci, esse problema me persegue. Meu cabelo.

Quando eu ainda freqüentava o maternal, mamãe – q nunca teve talento,né – fazia um rabo de cavalo de LADO. O trem já não era bom e ela fazia isso. blz. (aí hj ela reclama q eu não tenho namorado. Significa). 

Aí, quando eu tinha 10 anos, ela me levou ao Joel e falou assim: “Joel, vê aí q q c consegue fazer.”. Entendi. Ele não conseguiu nada,né, pq naquela época progressiva era só no Japão. Isso sem contar os cortes modernos q eram feitos nessa minha pequenagrande cabeça. Blz.

Uns tempos depois, eu cansei de não ter um cabelo solto digno de sair na rua. Comecei aí minha peregrinação. Tava indo bem. Aí um dia, mamãe DECIDE que shampoo normal dá câncer. Ah tá. Vamo lavar cabelo com o quê, mãe? Com sabão de côco e shampoo neutro. Entendi. Ótimo investimento. Claro q os menininhos não olhavam pra mim nessa época. triste. Aí, qndo ela percebe q essa escolha foi complicada, ela resolve voltar à vida normal. Vai e compra AQUAMARINE. juropordeus. até outro dia ela comprou. Num aprende não.

Aí, adolescência vai, adolescência vem… Resolvo, por motivos econômicos, mudar de cabeleireira e entregar minhas madeixas aos cuidados de uma estranha, sob recomendação da minha irmã. Já devia ter achado q não ia prestar. Claro q ferrou tudo. A pessoa esturricou meu cabelo. Ele caiu. E me dava desespero passar a mão e sentir meus cabelinhos crescendo. blz. a gente supera.

Um dia, tô em casa, me recuperando de todos os traumas supracitados  – capaz – , minha saudosa e maldosa tia q sempre me colocou PRA CIMA passa a mão na minha cabeça e diz: “com um cabelo desses c nunca vai arranjar um namorado”. entendi. que Deus a tenha.

Aí, eu resolvo voltar pro joel. e foi aí meu acerto. Td bem q perdi vários pretendentes ao sair na rua com o cabelo-que-não-podia-lavar-por-cinco-dias e q gastei forturnas, mas valeu a pena. Mto melhor ficar parecida com um cachorro pós-tosa. Mto mais digno. ô. mas dá 4 meses do procedimento feito, a raiz já mostra de onde é q eu vim,né.

Aí, no dia do meu baile, Joel não pôde me atender. Tive que ir a outra aí. sempre foi boa, mas,ne. Joel é Joel. E enquanto ela me enfeita com aquele maravilhoso rabo, ela diz: Menina, q q c fez com seu cabelo q ele quietou?

Pois é. Só encontro gente q me coloca pra cima e q faz eu me sentir bonita.

Hj, retornei ao Joel e finalmente vou  poder usar cabelo solto de novo. Não tenho foto de hj, mas a abaixo é bem ilustrativa e real. Bjo, vamobatercabelonabuatchy

 

Beba Cotchabamba 2 junho 21, 2010

Filed under: dá um post,ficadica — ritoca @ 4:49 pm

Só mais alguns comentários sobre o samba: tá certo que há coisas que o dinheiro não paga – conhecer o amigo do primeiro-ministro de Grenada é uma delas -, mas por que mesmo que todo mundo tava achando que era rico? Assim, nada contra a peregrinação alcoólatra por estabelecimentos belorizontinos, mas QUATRO em uma noite talvez seja um pouco demais para o meu bolso – lembrando que eu não estou doente e por isso não tenho um cartão com vale-refeição infinito, neam? Mas fomos todos na vibe não-sou-eu-quem-me-navega-quem-me-navega-é-o-mar que Jardim muito sabiamente inspirou e até na Praça do Papa fomos parar. Eu acho bom. Já tô me despedindo da cidade mesmo, então é bom que dou tchau pra tudo. Outra coisa: Sofia quebrando paradigmas! hahaha Acho digno. E ainda de quebra arrumou uma casa de praia no CARIBE pra galera! hahaha ORGULHO. Triste foi só a falta de nossas convivas. Como fazem falta! O brinde com nosso drink COTCHABAMBA teria sido muito mais legal, e faria muito mais sentido também, com todas nós juntas, pessoal. Já ia aqui convocando uma noite regada a Cotchabamba em Sabará, mas ficadica de que na busca pela receita do tal drink no Google, um dos cinco resultados direciona para um blog chamado SAFADASUBURBANA.blogspot.com. ANRAM. Isso diz muito sobre nós?